Dificuldade em captar sons agudos é o primeiro sintoma.

Perda de capacidade auditiva não é comum antes dos 55 anos.

O termo médico pode causar alguma estranheza, mas a presbiacusia, “tal como o cabelo branco, é inevitável”. A perda de capacidade auditiva assume apenas uma das muitas faces do envelhecimento e que, tal como os sinais do avançar da idade, tem o seu tempo e velocidade na vida de cada um. No entanto, não é habitual antes dos 55 anos e pode ser um peso difícil de carregar. Muitos idosos desvalorizam os primeiros sinais deste problema, criando resistência à procura de ajuda.

“A pessoa que ouve mal tem maior tendência a isolar-se, a ser mais desconfiada e tem maior dificuldade em interagir. É uma pessoa que precisa de ajuda”, alerta José Esteves Marcos, médico otorrinolaringologista, explicando que por vezes “o próprio doente não aceita o problema, apesar de reconhecer que já ouve mal”. A tendência é de desvalorização da perda de capacidade auditiva.

O primeiro sintoma passa pela “perda de audição para frequências altas, como é o caso do som de campainhas, apitos e mesmo algumas vozes femininas mais agudas”, explica ao CM o especialista, que aponta a família como sendo a origem do primeiro sinal de alerta. “Apercebem-se de que o doente coloca a televisão mais alta do que o normal ou, por exemplo, que manifesta dificuldade na compreensão durante algumas conversas”, descreve José Esteves Marcos.

A presbiacusia tem “um diagnóstico de grande simplicidade através de um exame de rotina”, o audiograma, e uma solução capaz de “garantir o aumento da qualidade de vida dos doentes”, avança o especialista. Os aparelhos auditivos estão cada vez mais simples, mas a sua adoção deve ser precoce.

Idade determina janela de adaptação

O aparelho auditivo pode apresentar resultados muito positivos no combate às dificuldades criadas pela perda auditiva nos idosos, mas o avançar da idade acaba por se tornar num entrave à habituação do doente ao dispositivo.

“A perda de plasticidade cerebral faz parte do envelhecimento. Torna-se mais difícil a adaptação a coisas novas”, alerta José Esteves Marcos.

“Acima dos 80 anos é muito difícil a habituação a um aparelho auditivo. Existe uma janela de adaptação e a prótese deve ser adotada o mais precocemente possível”, sublinha o especialista.

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/sociedade/detalhe/idosos_desvalorizam_perda_de_audicao.html

Fale Conosco

Consulte-nos para saber os locais de atendimento em sua região, além de nossa disponibilidade em atendermos em seu domicilio.

Whatsapp:

16 98115.0401

Clique e envie uma mensagem

Telefones:

 0800 606 80 73
 16 3941-3015

Ribeirão Preto

Rua Casemiro de Abreu, 576 – Vila Seixas

Araraquara

Av. Prudente de Morais, 880 – Centro

Batatais

Cel. Joaquim Rosa, 590 – Centro

×

Olá! Como posso te ajudar?

A mensagem será iniciada pelo WhatsApp
ou envie um email para: contato@sonidoaudicao.com.br

× Agende seu teste